Sejuc inicia ações educativas nos presídios com turma exclusiva para pessoas LGBTQIAPN+

Aulas começaram em todos os presídios do Estado em parceria com a Secretaria de Estado da Educação (Seduc)

O sistema prisional de Sergipe iniciou as atividades do calendário escolar em todas as unidades com a Educação de Jovens e Adultos (EJA), em parceria com a Secretaria de Estado da Educação (Seduc). Os primeiros momentos foram de ações de sensibilização com alunos, professores, equipes de assistência social e direção dos presídios. A expectativa é que 500 internos participem das aulas neste segundo semestre.

A coordenadora de Saúde e Educação do Departamento do Sistema Penitenciário (Desipe), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Justiça e Defesa do Consumidor (Sejuc), Edjane Marinho, destaca os primeiros encontros dos alunos com a equipe pedagógica. “Nesse momento fazemos o processo de adaptação, nivelamento de turmas e acolhimento dos alunos. Estes encontros de sensibilização são fundamentais para que os internos não desistam dos estudos”, enfatizou.

A grande novidade do início do calendário letivo escolar prisional do segundo semestre, vem do Complexo Penitenciário Manoel Carvalho Neto (Copemcan), localizado no município de São Cristóvão, com uma turma exclusiva para pessoas LGBTQIAPN+. Para o diretor do presídio, Éden Santos, esse é um momento fundamental para que essas pessoas possam ter um futuro melhor ao deixar o Copemcan com nova expectativa de vida e oportunidade de trabalho.

“É muito importante essa ação porque entendemos que a comunidade LGBTQIAPN+ do Copemcan necessita de atenção especial. As pessoas que estudam, aprendem a ler e escrever têm mais oportunidades. Por isso, solicitamos uma turma exclusiva e tivemos essa alegria no início das atividades do segundo semestre. Estamos todos engajados para que os estudos avancem”, disse.

Agosto Lilás

Durante todo o mês, são realizadas ações do Agosto Lilás, que é o mês de conscientização pelo fim da violência contra a mulher. A campanha foi criada em referência à sanção da Lei Maria da Penha (Lei Federal nº 11.340/ 2006), assinada no dia 7 de agosto e que este ano completa 17 anos. Essa lei foi elaborada para amparar as mulheres vítimas de violência, seja ela física, sexual, psicológica, moral ou patrimonial e sensibilizar e conscientizar a sociedade sobre o necessário fim da violência contra a mulher.

Serão realizadas ações no Presídio Feminino (Prefem), dentro da programação do calendário escolar, com atividades educativas e palestras sobre a violência contra a mulher. As alunas da Educação de Jovens e Adultos (EJA) estarão inseridas em todas as programações.

Última atualização: 18 de agosto de 2023 12:01.

Pular para o conteúdo