Presídio Feminino promove festa junina com as internas

[kc_row use_container=”yes” force=”no” column_align=”middle” video_mute=”no” _id=”255391″][kc_column width=”12/12″ video_mute=”no” _id=”130014″][kc_column_text _id=”576541″]

Manhã da terça-feira, 20, foi marcada por muita animação e o forró na unidade

No mês em que se realizam festas juninas por todo o estado, o Presídio Feminino de Sergipe (Prefem), unidade gerenciada pela Secretaria de Estado da Justiça e de Defesa do Consumidor (Sejuc), realizou mais uma vez a já tradicional festa que anima os servidores e as internas da unidade. A festa foi realizada na manhã desta terça-feira, 20, em parceria com a Escola Estadual Professora Agda Fontes Ferreira, que atende a unidade prisional.

Durante a festa, comidas típicas, muita música e a quadrilha junina Chave de Ouro, formada por 30 internas da unidade, animaram a manhã na unidade localizada em Nossa Senhora do Socorro. Festa que teve como tema central neste ano a esperança.

“A esperança bem cuidada cumpre o seu papel e nos traz as vitórias tão esperadas por nós. Às vezes morre dentro de nós a paciência, a força, o ânimo, muitas vezes até a fé fica fraca. Porém a esperança nunca morre! Viva a esperança que nos mantêm de pé. Viva São Pedro e Viva São João!”, anunciou uma das internas.

Para a diretora do Prefem, Maria Edinólia Oliveira, a festa foi um momento de alegria, confraternização e união entre todos os policiais penais da unidade e as internas. “No nosso dia a dia, nós realizamos as nossas atividades essenciais, os nossos projetos e os atendimentos. Então, uma festa como essa, sobretudo para as internas da nossa unidade, é um momento de alegria e também de distração, principalmente para aquelas que já estão aqui há muito tempo”, comentou.

Desde que as aulas em parceria com a escola estadual foram implementadas na unidade prisional, em 2015, a festa de São João se tornou uma tradição que envolve não só a parte educacional, mas toda a unidade, inclusive o Projeto Odara, que confeccionou algumas das fantasias da quadrilha junina.

“Eu sempre digo a todas elas que a mudança deve começar ainda aqui dentro da unidade. A música é felicidade e faz com que elas tenham realmente esse desejo de mudar de vida. Mesmo aqui dentro, cumprindo suas penas e privadas de liberdade, elas não conseguem esconder a alegria e o desejo de fazer uma apresentação bonita, mesmo com as nossas limitações”, comenta a professora Jocilene Lima.

[/kc_column_text][kc_image_gallery columns=”4″ image_size=”full” alt_text=”__empty__” _id=”583607″ images=”8185,8187,8188,8189″ type=”grid” click_action=”none”][/kc_column][/kc_row]

Última atualização: 21 de junho de 2023 12:14.

Pular para o conteúdo