Da solidariedade à tecnologia, ações do plano de contingência da Sejuc mantêm pandemia sob controle nos presídios de SE

Dentre as medidas, estão a aproximação de internos e familiares por cartas e videochamadas

Com o foco na redução dos riscos de contágio pelo coronavírus no sistema prisional sergipano, a Secretaria de Justiça, Trabalho e Defesa do Consumidor (Sejuc) continua adotando as medidas previstas no Plano de Contingência. São ações como orientações sobre a importância da frequente higienização das mãos, uso do álcool em gel, distribuição de máscaras, e a limpeza e desinfecção de objetos e superfícies tocadas com frequência. Desde o início da pandemia, todas essas medidas vêm sendo recomendadas e cumpridas dentro do sistema prisional sergipano. Além disso, a tecnologia tem sido empregada para aproximar os internos e familiares; e as internas do Prefem têm produzido máscaras desde o início da pandemia.

O secretário da Justiça, Trabalho e Defesa do Consumidor, Cristiano Barreto, destacou as medidas do Plano de Contingência e a importância delas na redução dos riscos de contágio pela Covid-19 dentro das unidades prisionais do estado. “Imediatamente, quando houve as primeiras discussões em torno do decreto governamental, houve a possibilidade clara da adoção de medidas para que a pandemia não entrasse pela porta da frente do sistema prisional. Foi montado um plano de contingência com base em normativas definidas e orientadas pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen)”, citou.

“Tudo tem sido empregado da melhor maneira possível, desde a distribuição de kits de proteção individual, passando pela orientação aos internos, pela utilização da tecnologia, através das conversas pela teleconferência, utilização de cartas, até testagem em massa dos servidores. Tudo tem sido feito de forma muito organizada. Graças a isso a disseminação do coronavírus no sistema prisional não tem avançado”, complementou o secretário.

Visitas a distância

As visitas aos internos foram suspensas ainda em março e, para manter o contato entre familiares e internos, foram implementadas iniciativas como as cartas e as videochamadas. No caso das cartas, os parentes escrevem, fotografam e encaminham para assistentes sociais dos presídios. Lá, elas são impressas e entregues aos internos, que podem respondê-las. As videochamadas têm duração média de cinco minutos e possibilitam o contato visual.

Solidariedade

Ações como a confecção de máscaras pelas internas do Presídio Feminino também fazem parte das medidas que estão sendo adotadas dentro do sistema prisional do estado. Entre os dias 4 de abril e 28 maio, por exemplo, elas produziram 13.870 máscaras no ateliê do “Projeto Odara”. Os equipamentos de proteção individual foram encaminhadas para internos das unidades prisionais e também distribuídas para servidores públicos. E a produção não parou, elas seguem confeccionando as máscaras.

Orientações de limpeza

Os servidores, além das orientações, receberam equipamento de proteção. Foram entregues pela Sejuc máscaras cirúrgicas e N95, luvas, álcool em gel e foram reforçados os protocolos de limpeza e higienização dos ambientes de todas os presídios que compõem o sistema prisional sergipano. Além disso, a temperatura de prestadores de serviços e de advogados que, porventura, precisem adentrar no sistema é verificada.

Desinfecção

Outra medida que vêm sendo adotada pela Sejuc é a desinfecção das dependências das unidades prisionais. Periodicamente, é utilizada uma solução feita à base de cloro. Nas celas, são desintoxicados os objetos pessoais e colchões utilizados pelos internos, além de higienizados grades, corredores, cadeados e algemas das unidades. A solução de hipoclorito é diluída em uma bomba intercostal, e é passada em todas as celas e ambientes frequentados pelos internos e agentes.

Última atualização: 5 de junho de 2020 15:15.

Pular para o conteúdo