Cadeia Pública de Areia Branca e a empresa Reviver celebram dois anos de parceria

Nesta terça-feira, 26, a Secretaria de Justiça (Sejuc) realizou um evento em comemoração ao aniversário de dois anos da Cadeia Pública de Areia Branca e da empresa Reviver. O evento foi realizado dentro do complexo prisional, no município.

No evento, foi dado destaque ao sistema de progestão, onde os setores público e privado fazem parceria. Segundo Rodrigo Manhãs, diretor do complexo, a colaboração entre o Estado e a empresa Reviver objetiva aumentar as possibilidades de ressocialização dos internos. “A empresa oferece os profissionais médicos, dentistas, a parte de alimentação, hotelaria, vestuário, tudo completo. Tudo que tem na lei acontece para dar ao preso um melhor atendimento, enquanto ele estiver aqui com seus direitos garantidos”, comentou.

Desde sua inauguração, a unidade prisional não contabiliza nenhum episódio de fuga. Segundo o Coronel Chaves, secretário adjunto da Sejuc, este fato também é uma comemoração. “E também hoje nós estamos comemorando dois anos e um mês que não temos episódios de fuga. Um marco bastante tranquilo, porque tem trazido acalanto para família e uma certa dignidade para os internos”, afirmou.

Dentro do complexo, diversas atividades são ofertadas para os internos. Segundo Zedequias Horebe, gerente administrativo da Reviver, todas as atividades são desenvolvidas para que os reclusos possam ser ressocializados. “Mesmo cerceados de liberdade custodiada, eles têm diversas atividades que podem fazer, como a parte da escola, de trabalho, de serigrafia. Isso faz com que eles possam voltar ao convívio com a sociedade”, comentou.

A Cadeia foi inaugurada em 24 de março de 2017, com capacidade original para 392 internos. Atualmente houve um acréscimo de 25%, totalizando 490 internos. O complexo foi criado para os internos de transição, que ficam aguardando a sentença após a prisão, momento em que são encaminhados a outra unidade. Ainda segundo Rodrigo Manhãs, os detentos demonstram satisfação com os serviços ofertados. “Os internos estão satisfeitos, porque os familiares não precisam estar trazendo alimentação, por exemplo. Os familiares também vêm nos dias específicos de visitação. Então, dentro das possibilidades, eles tentam sair ressocializados”, concluiu.

Última atualização: 26 de março de 2019 19:36.

Pular para o conteúdo